Artigos

Santo Agostinho

No dia de hoje, 28 de agosto, a Santa Madre Igreja celebra a memória de Santo Agostinho, o “Doutor da Graça”. Deus quis precisar de Agostinho para que, através dele, várias heresias fossem combatidas e diversos corações pudessem Sentire cum ecclesia, como o seu um dia sentiu. Agostinho que tarde amou o Altíssimo, e O procurava fora de si, quando Deus habitava dentro dele, se deixou seduzir pelo Bom Deus, a Voz forte do Senhor rompeu a barreira da sua surdez, e brilhou tão forte que dissipou sua cegueira. Depois de provar de Deus, Agostinho sentiu fome e Sede do Autor da vida, e quando se deixou tocar, ardeu no desejo de Sua paz. (AGOSTINHO, 2014, X 27)

Filho de Patrício e Mônica, Agostinho nasceu em Tagaste na Tunísia no ano de 354. Viveu uma vida de pecado durante 32 anos, e através da intercessão de sua mãe que rezava diariamente, converteu-se ao cristianismo e batizou-se em 387. Seu batismo foi ministrado por Santo Ambrósio, um outro Doutor da Igreja e atribui-se a criação do hino do Te Deum a esse momento. Depois que recebeu o batismo, Agostinho tornou-se padre e depois bispo de Hipona. (AQUINO, 2008)

Santo Agostinho de Hipona tem por símbolos em suas imagens um coração flamejante e seu olhar voltado para o alto. Sua história de conversão deve-se às orações diárias de sua mãe, que piedosamente ia até a Igreja para rezar pelo seu filho. Agostinho teve um filho chamado Adeodato, estudou filosofia e converteu-se ao cristianismo também por influência de Santo Ambrósio. A maioria dos seus escritos era combatendo as heresias que enfrentou em sua época, tais como o Maniqueísmo, o Donatismo e o Pelagianismo. Sendo autor de uma enorme quantidade de obras teológicas e espirituais, podemos destacar a obra Confissões que narra sua conversão, e a obra A cidade de Deus, que dialoga com a ideia de que a queda do Império Romano não se deu pelo abandono dos deuses. Agostinho também é conhecido como um dos quatro principais Padres (no sentido de pai) da Igreja, juntamente com Santo Ambrósio, São Gregório Magno e São Jerônimo. (GRAVIERS e JACOMET, 2008)

Na obra Confissões, gostaria de ressaltar uma argumentação que pode ser trazida ao nosso tempo. No espaço social e religioso que vivemos, a caridade é em muitas ocasiões, confundida com diversas coisas que são tudo, menos a caridade. No livro X 23. Santo Agostinho nos fala que a verdade é odiada, pois, o pecado nos leva a amar a mentira. Quando a verdade vem e nos afaga a cabeça, ela é bem-vinda, mas quando a verdade nos exorta, automaticamente nós não queremos aceita-la. Nos dias atuais, músicos que não atuam bem em uma Missa por exemplo, preferem que sejam exortados de forma doce, onde alguém irá dizê-los “Oi, hoje foi muito bom, mas vocês podem melhorar, eu sei que vocês são capazes”, quando na verdade é imprescindível que se diga que não, que não estava bom, que na Missa não se deve treinar, na Missa tudo deve ser perfeito, pois é lá que se atualiza o Calvário, é um rito sagado, é o memorial da Paixão do Senhor, é o Santo Sacrifício da Cruz e ninguém deve perder o sentido do sagrado que a Eucaristia tem. O venerável Fulton J. Sheen um dia disse que “O certo é certo ainda que todos estejam errados, e o errado é errado ainda que todos estejam certos”.

Em A cidade de Deus, Santo Agostinho nos diz sobre duas cidades. Uma era terrena, foi fundada pelo amor próprio e levava o homem ao desprezo a Deus, a segunda era a celestial, foi fundada pelo amor de Deus e levava o homem ao desprezo a si próprio. A primeira gloria-se em si, a segunda gloria-se em Deus (Agostinho, 2012). Com isso, gostaria de trazer algo que se conta sobre um episódio na vida do santo. Ele estava sentado lendo e viu um demônio passando com um livro nos ombros, ordenou que o demônio parasse e lhe dissesse que livro era aquele. O demônio obedeceu e lhe informou que aquele era o livro dos pecados dos homens. Imediatamente Agostinho pediu para ver o livro e se lá estava seu nome, ao ver, percebeu seu nome e na frente dele estava o pecado de não rezar as completas. Santo Agostinho foi até a capela, rezou piedosamente as completas e voltou. Ordenou que o demônio procurasse ali seu nome de novo. Ao ir na mesma página, encontrou ela em branco e disse que o bispo lhe envergonhara e se arrependeu de ter mostrado seu livro e sumiu confuso. (VARAZZE, 2003)

Santo Agostinho nos deixou diversos ensinamentos, alguns são facilmente encontrados, mas a sua maioria não o é, como muitos outros documentos, mas podem-se ser acessados diversos desses textos nos ofícios da Liturgia das Horas.

Sabe-se também que Santo Agostinho contribuiu para sanar diversas dúvidas teológicas, e certa vez estava com dificuldade em entender o mistério da Santíssima Trindade. Com os pensamentos cansados, Agostinho foi passear na beira da praia em busca dessas respostas. Ao longe viu uma cena que cada vez lhe chegava mais próximo. Um menino fez um buraco na areia com seu dedo, ia até o mar, enchia as mãos com água e levava até o buraco, fez isso repetidas vezes sem parar. O bispo chegou perto dele e perguntou: “Menino, você acha mesmo que consegue colocar toda a água do mar nesse buraco?”. O menino então lhe respondeu: “É mais fácil eu colocar toda a água do mar dentro desse buraco do que você descobrir o mistério da Santíssima Trindade”. Falando isso, o menino sumiu.

Chamo a atenção para esse episódio no sentido de muitas vezes querermos explicar materialmente Deus, de querermos até matar o nosso Deus com nossas teorias vindas das filosofias modernas que excluem o sobrenatural e o metafísico. Findo com uma frase do santo que deve acima de tudo, nos tranquilizar. “Se Ele fosse para ser entendido, não seria Deus”.

Santo Agostinho de Hipona, rogai por nós.

 

Por: José Alves da Silva Filho. Historiador pelo Centro Universitário de Brasília, paleógrafo e pesquisador pela mesma instituição sendo pesquisador também ligado à Universidade Brasília.

 

Fontes Consultadas:

 

AGOSTINHO, Santo. A Cidade de Deus: (Contra os pagãos). Petrópolis – RJ: Vozes, 2012.

AGOSTINHO, Santo. Confissões. 4ª ed. Petrópolis – RJ: Vozes, 2014.

AQUINO, Felipe Reginaldo Queiros de. Na escola dos Santos Doutores. 6ª ed. Lorena: Cléofas, 2008.

GRAVIERS, B des. e JACOMET, T. Reconnaitre les saints. Barcelona: Ediciones Folio, S.A., 2008.

VARAZZE, Jacopo de. Legenda Áurea : vida dos santos. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

Relacionados por tags

  • Como estamos em um processo de matrículas resolvemos elencar algumas questões que suscitam algumas dúvidas àqueles que pleiteiam entrar na catequese, esperamos que os tópicos abaixo os ajudem:

    1. Batismo
    Tudo indica que a origem dos padrinhos de Batismo existe desde os primeiros tempos da Igreja, quando os pagãos se convertiam e recebiam o Batismo, e, com ele, a vida espiritual. Eram também denominados de pais espirituais, porque cuidavam da formação espiritual de seus afilhados. Além do mais, em época de guerra, poderiam substituir os genitores na dura tarefa de educar os filhos na fé cristã. No caso de neófitos (adultos recentemente convertidos a Cristo pelo batismo), os pais espirituais exerciam um preponderante papel no acompanhamento prático da doutrina católica. Isso era tão sério que chegavam a ser, na maioria das vezes, os mesmos padrinhos na Confirmação (Crisma),hoje não é necessário.

    2. Padrinhos
    No que se refere aos critérios da Igreja Católica Apostólica Romana para a escolha de padrinhos e madrinhas, A Introdução Geral do Ritual do Batismo, n◦ 10, diz: “O padrinho e a madrinha tenham maturidade para desempenharem esse oficio; estejam iniciados nos três sacramentos da iniciação cristã, do Batismo, da Crisma e da Eucaristia; pertença à Igreja Católica e pelo Direito não estejam impedidos de exercer tal oficio.

    3. Orientações do Código de Direito Canônico para padrinhos de adultos
    De acordo com o Código de Direito Canônico: “Ao batizado, enquanto possível, seja dado um padrinho, a quem cabe acompanhar o batizando adulto na iniciação cristã . Cabe também a ele ajudar que o batizado leve uma vida de acordo com o Batismo e cumpra com fidelidade as obrigações inerentes” (cânon 872). Também é possível apenas um só padrinho ou uma só madrinha ou também um padrinho e uma madrinha (cânon 873). Em outras palavras, a escolha do padrinho é facultativa. Embora a maioria absoluta escolha pelas normas da Igreja, apenas um padrinho ou uma madrinha.

    4. Pré -requisitos para escolha de padrinho ou madrinha
    Em relação ainda aos pré-requisitos na escolha, o padrinho e a madrinha devem ter 16 anos de idade (pelo menos), serem católicos, confirmados (ou crismados), tendo recebido o sacramento da eucaristia e levar vida de acordo com a fé e o encargo que vão assumir (ter coerência entre fé proclamada e vida diária); não se encontrarem atingidos por nenhuma pena canônica*,; que não seja pai ou mãe do batizando (cânon 874).

    5. Casais em situação irregular
    No que tange aos casais que vivem numa união irregular, o Catecismo da Igreja diz que “existe união livre quando o homem e a mulher se recusam a dar uma forma jurídica e pública a uma ligação que implica intimidade sexual” (Catecismo da Igreja Católica, nº 2390). O Catecismo condena este tipo de união, ao dizer que: “A união carnal não é moralmente legítima, a não ser quando se instaura uma comunidade de vida definitiva entre o homem e a mulher” (Catecismo da Igreja Católica, nº 2391). Em conformidade com a doutrina da Igreja, a união carnal não é legítima, a não ser que se instaure um consórcio de vida perpétuo entre um varão e uma varoa. Tal relação é reconhecida pela Igreja, somente se houver o consentimento matrimonial, segundo as suas normas. Caso contrário, é uma união irregular.


    O diretório diocesano não autoriza quem tem impedimento a ser padrinho ou madrinha de Batismo e a receber sacramentos.

    6. São impedimento aos sacramentos: união estável, homoafetiva, segunda união, divorciado que tenha relacionamento estável com parceiro, namorado que tenha relacionamento intimo etc.

    Observação: A Igreja católica acolhe a todos que desejam conhecer melhor sua doutrina e sempre está disposta a orientar e ajudar aos que a procuram com o forte proposito de mudança de vida.

    Estamos à disposição para eventuais esclarecimentos.

    A paz!

    Coordenação da Catequese

  • Inscrições ENCERRADAS para a Catequese de Adultos (Acima de 18 anos), com encontros às segudas das 20 às 22:30h.

     

    Abaixo listamos os documentos necessários para efetivação da sua inscrição:

    - Uma Foto 3x4
    - RG ou Certidão de Nascimento (cópia simples);
    - Comprovante de de Batismo (cópia simples);
    - Comprovante da 1ª Comunhão (cópia simples).

    A Secretaria da Catequese estará de recesso no mês de Julho. Por este motivo, estaremos recebendo os documentos e taxa apenas nas datas:

    - 04/08 (Sábado) das 8:30h às 11h;
    - 06/08 (Segunda) das 19 às 20h;

    * Os sacramentos recebidos deverão ser comprovados mediante apresentação dos comprovantes. Mesmo adultos que não receberam os sacramentos, poderão participar do processo de formação.

     

    Os encontros serão iniciados em 06/08 às 20h, com previsão de sacramento para Maio/2019. 

    O calendário com completo será divulgado apenas no início dos encontros.

     

    Coordenação da Catequese.

  • A Comunhão e o amor a Deus sobre todas as coisas

     

    mini 26112017 DemetriusAbrahao PC 1

     

    Na celebração do sacramento para 150 crianças, Padre Luiz Gustavo lembra a importância de se observar o primeiro e mais importante Mandamento da Lei de Deus

     

     

     

    "Não tem palavras que possam descrever o sentimento de poder preparar as crianças para este momento tão grandioso, que é o ápice da nossa fé. E, ao mesmo tempo, ver a minha filha mais velha recebendo a Eucaristia”. As palavras emocionadas são da catequista Marina Amado, que viu a primogênita Nina e as 22 crianças da turminha que ela catequiza há dois anos entre as 150 que receberam a Primeira Eucaristia, neste domingo (26), na Paróquia Imaculado Coração de Maria. A missa solene, que comemorou a Festa do Cristo Rei e encerrou o ano litúrgico, foi marcada pela emoção das famílias e por uma celebração em que o Padre Luiz Gustavo reiterou a importância do primeiro e mais importante mandamento: Amar a Deus sobre todas as coisas.

     

    Os pais foram convidados a levar os filhos a observarem também o terceiro mandamento: Guardar domingos e festas de guarda. “Se eu perguntasse a vocês, pais, o que desejam em primeiro lugar para os vossos filhos, vocês iriam falar assim: ‘eu quero que eles sejam felizes’. A felicidade primeira que vocês têm de desejar aos vossos rebentos é a felicidade eterna. Para ajudar a igreja a levá-los ao céu, eu gostaria muito que vocês ensinassem e incutissem na cabeça das crianças o primeiro mandamento: Amar a Deus sobre todas as coisas. E esse amor nos leva ao terceira mandamento: Guardar domingos e dias de festa”, explicou o padre. “Salvem a alma dos vossos filhos”, pediu o pároco.

     

    Priorizar o domingo e o culto ao Senhor é, conforme lembrou o pároco, obrigação de todos os fiéis. “A Comunhão serve para guardar as nossas vidas para a vida eterna. Cada vez que comungamos estamos assegurando a salvação da alma”, disse o Padre Luiz Gustavo, durante a homilia. Às crianças, o pároco parabenizou pela coragem e pelo amor a Deus sobre todas as coisas durante os dois anos de Catequese. “Esta hóstia que vocês irão colocar na boca e que entrará na alma será, para vocês, motivo de alegria. E, a partir de hoje, vão falar aos pais que vocês têm a obrigação de, nunca mais na vida de vocês, faltar à missa”, ensinou. 

     

    No fim da celebração, como de costume, Padre Luiz Augusto fez a Catequese e, desta vez, voltado às crianças que tinham acabado de receber a Primeira Eucaristia, lembrou da obrigação de se confessarem quando faltar, por algum motivo, à celebração dominical. E encerrou a missa solene, agradecendo aos catequistas, "que deixaram as próprias famílias para cuidar dos filhos dos outros”. Pediu que os pais, como forma de agradecimento aos catequistas, rezassem uma Ave-Maria por eles todos os dias.

     

     

    TESTEMUNHO

     

    “Na Catequese, Deus foi transformando meu coração e eu fui me reaproximando Dele"

     

    Para a catequista Marina Amado, é inominável a emoção de ver, neste domingo (26), a filha Nina receber pela primeira vez, junto com outras 149 crianças - e, entre elas, os 22 da turminha que ela ajudou a formar nos últimos dois anos, o Corpo e o Sangue de Cristo. Principalmente porque, por meio da Catequese, ela pode retornar à Casa do Pai.

     

    "A história da Catequese na minha vida é bem interessante, porque eu sempre fui de participar da igreja, nasci dentro da igreja, meus pais sempre me educaram dentro da religião católica e eu era bastante atuante. Depois que eu me casei, passou um tempo, eu fiquei bem afastada da comunidade que eu atuava e eu fui esfriando, esfriando, até que eu me afastei totalmente da igreja. E fiquei um tempo fora. Minha filha mais velha, a Nina, que está fazendo Primeira Comunhão agora, começou a criar uma verdadeira admiração pela missa. Ela contava os dias para chegar o fim de semana, poder ir para a casa dos avós e ir à missa junto com eles. Eu ficava em casa, com meu marido e meus dois outros filhos. Até que um dia, ela falou assim: 'mamãe, eu quero fazer Primeira Comunhão'. E aí, eu me vi em um conflito, porque eu sabia que havia necessidade de ela ir para a Catequese, porque a semente estava plantada e meu coração dizia isso, mas, por diversos motivos - por preguiça, por estar vivendo uma outra fase, por estar envolvida com coisas que não eram de Deus -, eu ia deixando isso de lado. Até que ela me botou na parede e eu pensei: 'bem, agora, eu estou enrolada, porque ela vai aprender tudo o que eu não estou fazendo e vai ser complicada essa relação mãe e filha, porque ela vai olhar para mim e não vai entender'. E foi assim que Deus tocou meu coração para eu voltar”, conta Marina, que é mãe também da Luiza e do Pedro. 

     

    Há dois anos, ela procurou a Paróquia Imaculado Coração de Maria para que a filha pudesse frequentar a Catequese e ela pudesse ajudar. "Eu mandei um e-mail e contei essa história, porque eu pensei: 'se eu for voltar, preciso participar de alguma pastoral, e, já que a Nina está indo para a Catequese, vamos unir o útil ao agradável”, conta a catequista. 

     

    Ela já chegou para ajudar no primeiro ano de formação de uma turminha de 22 crianças. "Me colocaram junto com uma pessoa experiente, que já estava na Catequese há quatro anos e, assim, Deus foi transformando meu coração e eu fui me reaproximando Dele. Foi uma ano muito difícil, um ano de muitas provações e tribulações. Mas, ao mesmo tempo em que vinham as dificuldades, a gente sentia na nossa vida infinitamente o amor de Deus tomando conta das coisas e a resposta Dele de que Ele estava feliz com o meu retorno”, explica Marina.

     

    Neste domingo, junto com a Nina, as 22 crianças que ela ajudou a formar receberam o Corpo e o Sangue de Cristo e, durante a celebração, não foi só o sorriso largo e sincero da Nina que lhe foi dirigido. Mas de todas as crianças que se sentaram próximas a ela, nos primeiros bancos reservados da igreja. E, entre beijos, abraços, sorrisos e afagos trocados, a fotografia no fim da celebração eternizou o que ela e todos os outros catequistas representaram para as 150 crianças que receberam o sacramento da Comunhão: a salvação da alma de cada uma delas.

     

    “Poder ver, nestes dois anos, o crescimento e o amadurecimento deles, é algo extraordinário. Não tem palavras que possa descrever o sentimento de poder preparar as crianças para este momento tão grandioso, tão maravilhoso, que é o ápice da nossa fé e o ápice da vida. E, ao mesmo tempo, a emoção de ver a minha mais velha recebendo a Eucaristia”, finalizou, emocionada, a catequista.

     

    Veja aqui as Fotos da Renovação das Promessas Batismais e da Primeira Eucaristia.

     

    Colaborador(a) Pascom: Millena

  • Um Congresso de bênçãos!

     

    WhatsApp Image 2017 11 01 at 13.58.17

     

    Neste final de semana aconteceu o II Congresso de Pastorais da Paróquia Imaculado Coração de Maria - Park Way que contou com a participação das 24 Pastorais e Movimentos.

    O evento começou logo após a missa das 9:00 e os paroquianos puderam aproveitar o momento para conhecer o trabalho das Pastorais e Movimentos, visitando os stands.

    Houve muita interação entre os visitantes e agentes de pastorais. Além disso, os participantes ganharam brindes preparados com muito carinho pelas Pastorais e Movimentos.

    Um dos momentos mais marcantes do II Congresso foi a entrevista, na qual cada pastoral foi ouvida pelo "Repórter Mirim", uma novidade trazida pela Pascom! O Repórter Mirim entrevistou as pastorais participantes do Congresso (disponíveis no canal da Paróquia no Youtube).

    Além disso, toda a movimentação foi fotografada durante todo o evento (disponível no site da Paróquia).

    Quem participou do Congresso interagiu usando as hashtag’s #Deuschamavc e #Santificatepw nas redes sociais (Twitter e Instagram), e visualizou as postagens com fotos e vídeos em tempo real no telão. Essa foi uma das iniciativas que mais chamou a atenção de todos durante o evento.

    A coordenadora do congresso Helen Miquelote e o padre Luiz Gustavo passaram por todos os stands, interagindo com a comunidade e agentes de pastoral. Durante as fotos, várias placas divertidas e interativas foram utilizadas. Dentre elas, a placa “Chama o padre!”, foi o grande destaque.

    Oração e louvor também não faltaram! As Pastorais da Caridade, Batismo e EESA conduziram esse momento tão bonito, envolvendo a comunidade presente numa atmosfera de paz, amor, união e alegria!

    O II Congresso de Pastorais, que teve como tema: "Eis aqui seus filhos, una-os no amor de Cristo!", obteve êxito ao angariar novos agentes de pastoral e nos mostrou que juntos somos mais fortes e unidos no amor de Cristo construiremos a verdadeira comunidade da Paróquia Imaculado Coração de Maria - Park Way!

     

    Colaborador PASCOM: Demetrius Abrahão